Pular para o conteúdo principal

A CHEGADA EM OURILANDIA


Como chegamos em Ourilandia á noite só fomos conhecer a cidade no outro dia. Saímos para um passeio logo cedo. A primeira impressão que tive é que estava em uma cidade do litoral. Muito quente, uma rua longa e a sensação é que se andarmos até o final da rua encontraremos o mar. Só que estamos a quilômetros do litoral. Essa impressão é por causa do calor, da claridade.


A cidade está em construção ainda. Basicamente o comercio fica na avenida principal da cidade. Em 1980 o município de Ourilândia do Norte foi constituído com a implantação do Projeto Tucumã e colonização particular de Andrade Gutierrez. Em decorrência dos atrativos da região, que possui terra boa e muito ouro, chegaram pessoas de várias regiões do país, porém, o Projeto Tucumã selecionava as pessoas para se estabelecerem na região. Os que não possuíam condições financeiras de adquirir lotes de terra entravam na seleção do projeto. Essas pessoas se aglomeraram próximo à guarita posta pelos Diretores do Projeto Tucumã e construíram barracos de lona de pau-a-pique, por isso o primeiro nome de Ourilândia do Norte foi Gurita. A área da sede municipal era de posse do Fazendeiro e piloto, Ernesto. A terra foi solicitada pelo GETAT, organizadora do loteamento, para urbanização do povoado às margens da rodovia PA-279, nos limites do Projeto Tucumã.

Andamos por toda a cidade, conhecemos os comercios, as pessoas.
Nos surpriendemos com o fato de aqui as pessoas não usarem capacete para pilotar, nos falaram que isso foi para evitar assaltos, e olhando por esse lado faz sentido. Mas os incrivel mesmo foi ver quantas pessoas cabem em uma moto. 2, 3,4, e até 5. Vimos também mulheres elegantemente sentadas de lado nas motos o que me lembrou os filmes de época onde vemos mulheres cavalgando sentadas de lado. Vimos crianças pequenas e até bebês sendo transportados em motos. E como tem moto aqui!!!!!! Parece que tem mais motos que moradores.

Aprendemos muito já no primeiro dia sobre a história do povo ourilandense que é marcada por movimentos sociais, pela resistência às dificuldades e pela busca de conquistas por melhores condições de vida. Já surgiram diversas greves pacíficas reivindicando o fim do Projeto Tucumã e a redistribuição das terras para reforma agrária, melhoria das estradas, ligação de energia elétrica e pavimentação da PA-279 entres outros, também importantes.

Comentários

Anônimo disse…
Ei ardorei conhecer um pouco dessa cidade. Logo logo estarei aí.
Anônimo disse…
Oi Monique ,gostei muito de saber mais sobre sua cidade,e se for possível,me add aí no seu msn,pois tenho interesses proficionais nessa cidade é gostaria muito de saber mais sobre ela.Meu end é:marci_stm@hotmail.com,por favor me mande mais fotos.Obrigada.

Mensagem

Mensagem

Postagens mais visitadas deste blog

MINERAÇÃO ONÇA PUMA -OBRA 273 - OURILANDIA DO NORTE - PARÁ

MARÇO/2010 TRANSPORTADORES DE CORREIA -                VENTILADORES EM BAIXO DA GALERIA DREYER PRECIPITADORES SILOS DE PÓ, SILOS DE MINERIO SECO                                                                                                   CHAMINÉ GALPAO ESTOCAGEM DE EMERGENCIA DE MINERIO KILN LAVADOR DE GASES MÁQUINAS DE PÁTIO EMPILHADEIRA E RECUPERADORA MONTAGEM DO 4. PRECIPITADOR EM MONTAGEM PRECIPITADORES PRECIPITADORES SILOS DE PÓ, SILOS DE MINERIO SECO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO DE AGUA - ASPIRAL

CIRURGIA PARA VOLTAR A OUVIR - IMPLANTE COCLEAR

O MILAGRE DA AUDIÇÃO IMPLANTE COCLEAR OU "OUVIDO BIONICO" Crianças e adultos vítimas de surdez profunda e sem poder aquisitivo para bancar uma cirurgia corretiva podem ter esperanças de voltar a escutar. Basta que o implante coclear seja indicado para o seu tipo de problema. Isso por que o SUS (Sistema Único de Saúde) já oferece esse tipo de operação em hospitais de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte. Desde 1990, 700 pessoas já foram beneficiadas. Em breve, o Rio de Janeiro também entrará na lista com o credenciamento do Hospital Gafrée e Guinle pelo Ministério da Saúde. A cirurgia é indicada para pessoas que não podem usar aparelhos auditivos convencionais.“É um procedimento de alta complexidade e o Sistema Único de Saúde arca com os todos os custos”, explica o Dr. Fernando Portinho, otorrinolaringologista, professor da Escola de Medicina da UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) e coordenador do projeto.O tratamento com

FAMILIA GUERARD, GHERARDI, GERARDI, GIRARDI

MINHA ÁRVORE GENEALÓGICA MEU NOME É MONIQUE, Meu tataravô ( LOURENÇO GHERARDI ) , minha tataravó ( ADELIA FERRAGATTI ) ele filho de ( LOURENÇO GHERARDI E DOROTEIA PERONO ), ela filha de ( GIACOMO FERRAGATTI E IRENE OZELIO) . meu bisavô materno ( LOURENçO FRANCISCO GHERARDI) e minha bisavó materna (VIRGINIA TAVARES ALBERGARIA GHERARDI ) , minha avó materna (ELZI GUERARDI NASCIMENTO) e meu avô materno (LUIZ GONZAGA DO NASCIMENTO), meus pais (MARIA DA GLORIA DO NASCIMENTO SOUZA e ADÃO HELIO DE SOUZA). Família Gerardi Em 06 de março de 1895 chegou ao porto de Santos, desembarcando do navio “ARNO” uma família vinda da região de Treviso, norte da Itália que se apresentou como  FAMÍLIA GIRARDI , mas por falha de grafia do oficial de registros da imigração o sobrenome passou a ser  GERARDI. Assim podemos considerar como origem da família o sobrenomeGIRARDI e a geração que que ficou no Estado de São Paulo, GERARDI. OLHA COMO É GRANDE A FAMILIA GUERARDI...  ESSES PARENTE