quinta-feira, 7 de outubro de 2010

RPM - KINROSS - PARACATU

RPM - RIO PARACATU MINERAÇÃO

Localizada no Noroeste Mineiro, na cidade de Paracatu, a RPM, empresa do Grupo Kinross, atua no setor de extração de minérios com fins na produção de ouro, desde 1987. Criando mais de mil empregos diretos e indiretos, a Rio Paracatu Mineração (RPM), tem forte contribuição para o desenvolvimento econômico da região          

A Rio Paracatu Mineração (RPM), é uma empresa do grupo canadense Kinross, queopera desde 1987 na exploração de ouro em Paracatu.
Nome: Rio Paracatu Mineração ± RPM
Razão Social: Rio Paracatu Mineração S/A
Tipo de Empresa: Mineradora de Ouro

Recursos Naturais  utilizados:  Destaca a mineração  de lavra e beneficiamento  de minério aurífero, tendo o OURO como produto principal e a PRATA como produto secundário.

Localização - A  Rio  Paracatu Mineração  S/A  ± RPM,  está localizada em Paracatu  ± MG,  com cerca de 83 mil habitantes, situada na parte noroeste do estado de Minas Gerais, a 230 Km de Brasília,  O  local  da mina compreende uma mina a céu  aberto,  usina de beneficiamento, armazenamento  de rejeitos  e infra-estrutura  superficial, atualmente  operando com  aproximadamente 20 milhões de toneladas por ano e produz seis toneladas de ouro. A remoção de estéril não é necessária. Perfuração e desmonte são empregadas em pequena escalas com tendência de aumento com o endurecimento do minério sulfetado. O minério oxidado é escarificado por tratores de esteira anterior à escavação.


Infra-estrutura superficial,  atualmente operando  com aproximadamente 20 milhões  de toneladas  por  ano  e produz seis toneladas  de ouro.  A remoção de estéril não é necessária. Perfuração e desmonte são empregadas em pequena escalas com tendência de aumento com o endurecimento do minério sulfetado. O minério oxidado  é escarificado  por  tratores de esteira anterior  à escavação.  É  realizado  20%  de desmonte de rochas  com explosivos.  A  área de operação da mina a céu aberto  mede aproximadamente 4 Km quadrados, e está localizada em uma encosta de declive suave. 

Missão - Extrair e beneficiar minérios com fins à produção de ouro, maximizando o valor da RPM continuamente e atendendo as premissas de desenvolvimento sustentável.

Visão - Ter  recursos minerais transformados em reservas que garantam a permanência da  RPM produzindo ouro até o ano de 2036, a partir de: 
  • ·         Viabilizar  o  Projeto  de Expansão  III  para 50  mtpa de minério  beneficiado,  até dezembro de 2006;
  • ·         Operar com custos abaixo da média das operações de ouro do mundo;
  • ·         Aplicar  as melhores  técnicas apropriadas à operação da empresa com vistas  à melhor performance de alimentação de minérios e recuperação de ouro;
  • ·         Maximizar continuamente o NPV, investindo sempre segundo o critério de melhor retorno financeiros

Recursos Humanos - Capacitar e desenvolver os funcionários, reconhecer e desenvolver o talento e promover ações para melhorar a qualidade de vida das pessoas, com foco na produtividade.


À Comunidade- Reconhecer a responsabilidade social da empresa promovendo o  desenvolvimento sócio  econômico  da comunidade de influência,  atuando  principalmente em  ações para geração de emprego e renda.


Saúde, Segurança e Meio ambiente- Manter  os  sistemas atuais  dentro  de uma visão  de gestão  integrada para a maximização de resultados, assegurando a disponibilidade de programas ativos e vigorosos e motivando a equipe para a prática de melhorias contínuas.

Plano de Fechamento - Atender  à Legislação  Brasileira,  aos  princípios  dos Acionistas  e aos  anseios  da comunidade local.

KINROSS


A Kinross tem sede em Toronto, Canadá e dedica, exclusivamente, sua atividade a produção de ouro em cinco países. Ela ocupa a oitava posição, entre os maiores produtores de metais do mundo.Possui 100% das ações da RPM adquiridas desde 2005, quando comprou 51% do capital acionário da sua ex-sócia Rio Tinto. Além de participar também, com 50% das ações da Mineração Serra Grande, com sede em Crixás, Estado de Goiás. As atividades na América Latina foram iniciadas com a mina de Refugio (Chile), em 1998 e, hoje possui um quadro de quatro mil funcionários.

    Certificações

    • ISO 14001
    • OHSAS 18001
    • SA 8000
    • Código Internacional de Cianeto


Operação de lavra - A  Mina a céu  aberto compreende aproximadamente 440  hectares,  estando localizada numa encosta de morro de declive sutil. A  elevação  da cava a céu  aberto  e da área industrial da planta varia aproximadamente de 700 a 820 metros.

Equipamentos -
  • Dez caminhões (Cat 777 C/D) 85 toneladas: Produtividade 360 t/h;
  • Quatro Carregadeiras (Cat 992 D/G): Produtividade 1.100 t/h;
  • Cinco tratores de esteira (Cat D10 R/N): Produtividade 850 t/h;
  • Três Moto-niveladoras / três retro-escavadeiras.


Produção
  • Aproximadamente 18 milhões de toneladas de minério são movimentadas por ano, cerca de 2100 toneladas por hora;
  • Teor médio em torno de 0,433 g/t;
  • Perfuração e desmonte são empregados em pequena escala no material sulfetado, com tendência de aumento com o endurecimento do minério sulfetado;
  • O corte do minério oxidado (B1) é feito através da escarificação por tratores (D10 R/T) favorecendo o seu carregamento através de carregadeiras (992 D/G);
  • O desmonte por explosivo é utilizado em 20% do minério sufetado (B2) de dureza maior.

Britagem - O minério proveniente da mina é alimentado na unidade de britagem. São quatro linhas idênticas de britagem e peneiramento, sendo três em operação e uma em manutenção ou  disponível.  Cada linha é constituída por  uma peneira primária com duplo  deck  (70  e 25mm),  um britador  de impacto,  um  peneiramento  secundário  com duplo deck  (40  e 25mm), um britador cônico secundário em circuito aberto. Cada linha opera com cerca de 750t/h e o produto final tem granulometria de 80% passante em 12mm.
O produto final é transferido para os silos de moagem da planta de beneficiamento. A disponibilidade global da unidade de britagem é de 86% com utilização de 80%.


 Moagem -O circuito de moagem da planta de beneficiamento é composto por uma etapa de moagem primária, secundária e uma moagem de barras. A  moagem  primária é realizada por  4  linhas idênticas  em paralelo.  Cada linha é composta por um moinho tubular 15 x 19 cuja potência é de 1.650kWh. O produto da moagem primária tem granulometria cerca de 20%>200, sendo cada linha alimentada com 500-550t/h e teor de Au de 0,420g/t. O produto da moagem é classificado por WDPDQKR HP KLGURFLFORQHV GH __´. Cada linha é composta por duas bombas e 8 ciclones em cada, sendo 5 operando. A carga circulante do circuito primário é de 350-500%. A  disponibilidade global do  circuito  de moagem e classificação  é de 95,5%  com utilização de 94,5%. Por fim, a área escessiva da moagem primária, o qual fica retido no trommel é transportado  por  correia para a moagem  por  barras.

 Gravimetria - Cerca de 15% da carga circulante de cada linha alimenta um circuito de jigagem. Cada linha é composta por  4  jigues  trapezoidais  (yuba),  sendo  16  no  total. O  rejeito  da jigagem retorna para o  circuito  de moagem.  Os concentrados  dos  jigues  compõem o concentrado final da planta e é bombeado para o circuito de hidrometalurgia. Cada jigue produz cerca de 300kg/hora de concentrado com teor médio de 20g/t.

Flotação - O  tubo  de descarga do  circuito  de classificação  primária e secundária alimenta o circuito de flotação da planta. As linhas A e B são compostas por células convencionais de flotação e as  linhas  C  e D  por  células  tanques  ± Smart Ceils.  Esta etapa, chamada de Flotação Scavenger, tem por linha 500m3 de volume de flotação. O percentual de sólido na flotação é de 34%  com tempo  de residência de 18  minutos.  No  processo,  utilizamos coletores  (ditiofosfatos)  e os  espumantes  (MIBC).  O  rejeito  scavenger  constitui  o rejeito final e é por gravidade enviado a barragem. O concentrado scavenger alimenta o circuito de flotação cleaner cujo o concentrado final é bombeado para a hidrometalurgia. A recuperação metalúrgica varia de 79-82% e a recuperação em massa é de 1 - 1,5%. O teor do concentrado varia de 15-25g Au/ton.

 Hidrometalurgia - O concentrado da jigagem e da flotação cleaner com um teor entre 20-30 g/t de ouro são enviados para a planta de hidrometalurgia. Os concentrados são primeiramente remoídos em dois moinhos de bolas paralelos até atingir um granulometria de 90% passante em 325 malhas. O concentrado remoído é processado  em um concentrador  Knelson  recuperando  aproximadamente 20%  do  ouro alimentado na planta. O  concentrado  do  Knelson  é processado  em uma mesa concentradora sendo calcinado e fundido posteriormente em um forno de indução. O concentrado sulfetado remoído que não foi recuperado na gravimetria é espessado a 50%  de sólido  em dois espessadores  de 16m de diâmetro.  O  concentrado espessado é bombeado para a etapa de pré-aeração em um tanque de 300m3 para oxidação dos sulfetos e na seqüência alimenta por gravidade o circuito CIL (Carbon in Lixing). O circuito completo é composto  de sete tanques  de 300m3,  onde o  ouro  é lixiviado  utilizando-se cianeto  de sódio e oxigênio, obtendo-se uma solução de aurocianeto de sódio. O carvão ativado é adicionado aos tanques de lixiviação para adsorver o ouro em solução através do contato em contra corrente no circuito CIL (Carvão em lixiviação).
O  carvão  carregado  em  ouro  é separado através  de peneiramento,  e enviado  ao circuito de lavagem ácida para tratamento de contaminantes. A etapa seguinte será a eluição que refere-se ao processo de retirada do ouro do carvão. O processo de eluição consiste em percolar  uma solução de cianeto a 1%  e soda cáustica a 4% aquecida à 130°C pelo leito de carvão carregado, gerando uma solução rica em ouro  que será bombeada para o circuito  de eletrodeposição  onde o ouro  metálico  irá depositar na lã de aço contida nos catodos. O  carvão  após  a eluição é regenerado  termicamente a fim de eliminar  alguns contaminantes e retornado ao circuito CIL.

Fundição- O ouro  depositado nos catodos é retirado periodicamente calcinado e fundido em fornos de indução, obtendo-se o bullion que é um composto de ouro variando de 60 a 70% e prata variando entre 20 e 30% que é enviado para refino a fim de se obter o ouro refinado para a comercialização.




Fontes: - http://www.kinross.com/news--media/media-gallery e Diagnóstico Empresarial da Rio Paracatu Mineração (RPM) - Instituto de Ensino Superior Cenecista - Administração de Empresas -  Gestão Ambiental)



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi amigos, adoro quando vocês comentam

Google+ Badge

ÍNDICE GERAL DO BLOG

Pesquisa personalizada