Pular para o conteúdo principal

RPM - KINROSS - PARACATU

RPM - RIO PARACATU MINERAÇÃO

Localizada no Noroeste Mineiro, na cidade de Paracatu, a RPM, empresa do Grupo Kinross, atua no setor de extração de minérios com fins na produção de ouro, desde 1987. Criando mais de mil empregos diretos e indiretos, a Rio Paracatu Mineração (RPM), tem forte contribuição para o desenvolvimento econômico da região          

A Rio Paracatu Mineração (RPM), é uma empresa do grupo canadense Kinross, queopera desde 1987 na exploração de ouro em Paracatu.
Nome: Rio Paracatu Mineração ± RPM
Razão Social: Rio Paracatu Mineração S/A
Tipo de Empresa: Mineradora de Ouro

Recursos Naturais  utilizados:  Destaca a mineração  de lavra e beneficiamento  de minério aurífero, tendo o OURO como produto principal e a PRATA como produto secundário.

Localização - A  Rio  Paracatu Mineração  S/A  ± RPM,  está localizada em Paracatu  ± MG,  com cerca de 83 mil habitantes, situada na parte noroeste do estado de Minas Gerais, a 230 Km de Brasília,  O  local  da mina compreende uma mina a céu  aberto,  usina de beneficiamento, armazenamento  de rejeitos  e infra-estrutura  superficial, atualmente  operando com  aproximadamente 20 milhões de toneladas por ano e produz seis toneladas de ouro. A remoção de estéril não é necessária. Perfuração e desmonte são empregadas em pequena escalas com tendência de aumento com o endurecimento do minério sulfetado. O minério oxidado é escarificado por tratores de esteira anterior à escavação.


Infra-estrutura superficial,  atualmente operando  com aproximadamente 20 milhões  de toneladas  por  ano  e produz seis toneladas  de ouro.  A remoção de estéril não é necessária. Perfuração e desmonte são empregadas em pequena escalas com tendência de aumento com o endurecimento do minério sulfetado. O minério oxidado  é escarificado  por  tratores de esteira anterior  à escavação.  É  realizado  20%  de desmonte de rochas  com explosivos.  A  área de operação da mina a céu aberto  mede aproximadamente 4 Km quadrados, e está localizada em uma encosta de declive suave. 

Missão - Extrair e beneficiar minérios com fins à produção de ouro, maximizando o valor da RPM continuamente e atendendo as premissas de desenvolvimento sustentável.

Visão - Ter  recursos minerais transformados em reservas que garantam a permanência da  RPM produzindo ouro até o ano de 2036, a partir de: 
  • ·         Viabilizar  o  Projeto  de Expansão  III  para 50  mtpa de minério  beneficiado,  até dezembro de 2006;
  • ·         Operar com custos abaixo da média das operações de ouro do mundo;
  • ·         Aplicar  as melhores  técnicas apropriadas à operação da empresa com vistas  à melhor performance de alimentação de minérios e recuperação de ouro;
  • ·         Maximizar continuamente o NPV, investindo sempre segundo o critério de melhor retorno financeiros

Recursos Humanos - Capacitar e desenvolver os funcionários, reconhecer e desenvolver o talento e promover ações para melhorar a qualidade de vida das pessoas, com foco na produtividade.


À Comunidade- Reconhecer a responsabilidade social da empresa promovendo o  desenvolvimento sócio  econômico  da comunidade de influência,  atuando  principalmente em  ações para geração de emprego e renda.


Saúde, Segurança e Meio ambiente- Manter  os  sistemas atuais  dentro  de uma visão  de gestão  integrada para a maximização de resultados, assegurando a disponibilidade de programas ativos e vigorosos e motivando a equipe para a prática de melhorias contínuas.

Plano de Fechamento - Atender  à Legislação  Brasileira,  aos  princípios  dos Acionistas  e aos  anseios  da comunidade local.

KINROSS


A Kinross tem sede em Toronto, Canadá e dedica, exclusivamente, sua atividade a produção de ouro em cinco países. Ela ocupa a oitava posição, entre os maiores produtores de metais do mundo.Possui 100% das ações da RPM adquiridas desde 2005, quando comprou 51% do capital acionário da sua ex-sócia Rio Tinto. Além de participar também, com 50% das ações da Mineração Serra Grande, com sede em Crixás, Estado de Goiás. As atividades na América Latina foram iniciadas com a mina de Refugio (Chile), em 1998 e, hoje possui um quadro de quatro mil funcionários.

    Certificações

    • ISO 14001
    • OHSAS 18001
    • SA 8000
    • Código Internacional de Cianeto


Operação de lavra - A  Mina a céu  aberto compreende aproximadamente 440  hectares,  estando localizada numa encosta de morro de declive sutil. A  elevação  da cava a céu  aberto  e da área industrial da planta varia aproximadamente de 700 a 820 metros.

Equipamentos -
  • Dez caminhões (Cat 777 C/D) 85 toneladas: Produtividade 360 t/h;
  • Quatro Carregadeiras (Cat 992 D/G): Produtividade 1.100 t/h;
  • Cinco tratores de esteira (Cat D10 R/N): Produtividade 850 t/h;
  • Três Moto-niveladoras / três retro-escavadeiras.


Produção
  • Aproximadamente 18 milhões de toneladas de minério são movimentadas por ano, cerca de 2100 toneladas por hora;
  • Teor médio em torno de 0,433 g/t;
  • Perfuração e desmonte são empregados em pequena escala no material sulfetado, com tendência de aumento com o endurecimento do minério sulfetado;
  • O corte do minério oxidado (B1) é feito através da escarificação por tratores (D10 R/T) favorecendo o seu carregamento através de carregadeiras (992 D/G);
  • O desmonte por explosivo é utilizado em 20% do minério sufetado (B2) de dureza maior.

Britagem - O minério proveniente da mina é alimentado na unidade de britagem. São quatro linhas idênticas de britagem e peneiramento, sendo três em operação e uma em manutenção ou  disponível.  Cada linha é constituída por  uma peneira primária com duplo  deck  (70  e 25mm),  um britador  de impacto,  um  peneiramento  secundário  com duplo deck  (40  e 25mm), um britador cônico secundário em circuito aberto. Cada linha opera com cerca de 750t/h e o produto final tem granulometria de 80% passante em 12mm.
O produto final é transferido para os silos de moagem da planta de beneficiamento. A disponibilidade global da unidade de britagem é de 86% com utilização de 80%.


 Moagem -O circuito de moagem da planta de beneficiamento é composto por uma etapa de moagem primária, secundária e uma moagem de barras. A  moagem  primária é realizada por  4  linhas idênticas  em paralelo.  Cada linha é composta por um moinho tubular 15 x 19 cuja potência é de 1.650kWh. O produto da moagem primária tem granulometria cerca de 20%>200, sendo cada linha alimentada com 500-550t/h e teor de Au de 0,420g/t. O produto da moagem é classificado por WDPDQKR HP KLGURFLFORQHV GH __´. Cada linha é composta por duas bombas e 8 ciclones em cada, sendo 5 operando. A carga circulante do circuito primário é de 350-500%. A  disponibilidade global do  circuito  de moagem e classificação  é de 95,5%  com utilização de 94,5%. Por fim, a área escessiva da moagem primária, o qual fica retido no trommel é transportado  por  correia para a moagem  por  barras.

 Gravimetria - Cerca de 15% da carga circulante de cada linha alimenta um circuito de jigagem. Cada linha é composta por  4  jigues  trapezoidais  (yuba),  sendo  16  no  total. O  rejeito  da jigagem retorna para o  circuito  de moagem.  Os concentrados  dos  jigues  compõem o concentrado final da planta e é bombeado para o circuito de hidrometalurgia. Cada jigue produz cerca de 300kg/hora de concentrado com teor médio de 20g/t.

Flotação - O  tubo  de descarga do  circuito  de classificação  primária e secundária alimenta o circuito de flotação da planta. As linhas A e B são compostas por células convencionais de flotação e as  linhas  C  e D  por  células  tanques  ± Smart Ceils.  Esta etapa, chamada de Flotação Scavenger, tem por linha 500m3 de volume de flotação. O percentual de sólido na flotação é de 34%  com tempo  de residência de 18  minutos.  No  processo,  utilizamos coletores  (ditiofosfatos)  e os  espumantes  (MIBC).  O  rejeito  scavenger  constitui  o rejeito final e é por gravidade enviado a barragem. O concentrado scavenger alimenta o circuito de flotação cleaner cujo o concentrado final é bombeado para a hidrometalurgia. A recuperação metalúrgica varia de 79-82% e a recuperação em massa é de 1 - 1,5%. O teor do concentrado varia de 15-25g Au/ton.

 Hidrometalurgia - O concentrado da jigagem e da flotação cleaner com um teor entre 20-30 g/t de ouro são enviados para a planta de hidrometalurgia. Os concentrados são primeiramente remoídos em dois moinhos de bolas paralelos até atingir um granulometria de 90% passante em 325 malhas. O concentrado remoído é processado  em um concentrador  Knelson  recuperando  aproximadamente 20%  do  ouro alimentado na planta. O  concentrado  do  Knelson  é processado  em uma mesa concentradora sendo calcinado e fundido posteriormente em um forno de indução. O concentrado sulfetado remoído que não foi recuperado na gravimetria é espessado a 50%  de sólido  em dois espessadores  de 16m de diâmetro.  O  concentrado espessado é bombeado para a etapa de pré-aeração em um tanque de 300m3 para oxidação dos sulfetos e na seqüência alimenta por gravidade o circuito CIL (Carbon in Lixing). O circuito completo é composto  de sete tanques  de 300m3,  onde o  ouro  é lixiviado  utilizando-se cianeto  de sódio e oxigênio, obtendo-se uma solução de aurocianeto de sódio. O carvão ativado é adicionado aos tanques de lixiviação para adsorver o ouro em solução através do contato em contra corrente no circuito CIL (Carvão em lixiviação).
O  carvão  carregado  em  ouro  é separado através  de peneiramento,  e enviado  ao circuito de lavagem ácida para tratamento de contaminantes. A etapa seguinte será a eluição que refere-se ao processo de retirada do ouro do carvão. O processo de eluição consiste em percolar  uma solução de cianeto a 1%  e soda cáustica a 4% aquecida à 130°C pelo leito de carvão carregado, gerando uma solução rica em ouro  que será bombeada para o circuito  de eletrodeposição  onde o ouro  metálico  irá depositar na lã de aço contida nos catodos. O  carvão  após  a eluição é regenerado  termicamente a fim de eliminar  alguns contaminantes e retornado ao circuito CIL.

Fundição- O ouro  depositado nos catodos é retirado periodicamente calcinado e fundido em fornos de indução, obtendo-se o bullion que é um composto de ouro variando de 60 a 70% e prata variando entre 20 e 30% que é enviado para refino a fim de se obter o ouro refinado para a comercialização.




Fontes: - http://www.kinross.com/news--media/media-gallery e Diagnóstico Empresarial da Rio Paracatu Mineração (RPM) - Instituto de Ensino Superior Cenecista - Administração de Empresas -  Gestão Ambiental)



Comentários

Mensagem

Mensagem

Postagens mais visitadas deste blog

MINERAÇÃO ONÇA PUMA -OBRA 273 - OURILANDIA DO NORTE - PARÁ

MARÇO/2010 TRANSPORTADORES DE CORREIA -                VENTILADORES EM BAIXO DA GALERIA DREYER PRECIPITADORES SILOS DE PÓ, SILOS DE MINERIO SECO                                                                                                   CHAMINÉ GALPAO ESTOCAGEM DE EMERGENCIA DE MINERIO KILN LAVADOR DE GASES MÁQUINAS DE PÁTIO EMPILHADEIRA E RECUPERADORA MONTAGEM DO 4. PRECIPITADOR EM MONTAGEM PRECIPITADORES PRECIPITADORES SILOS DE PÓ, SILOS DE MINERIO SECO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO DE AGUA - ASPIRAL

CIRURGIA PARA VOLTAR A OUVIR - IMPLANTE COCLEAR

O MILAGRE DA AUDIÇÃO IMPLANTE COCLEAR OU "OUVIDO BIONICO" Crianças e adultos vítimas de surdez profunda e sem poder aquisitivo para bancar uma cirurgia corretiva podem ter esperanças de voltar a escutar. Basta que o implante coclear seja indicado para o seu tipo de problema. Isso por que o SUS (Sistema Único de Saúde) já oferece esse tipo de operação em hospitais de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte. Desde 1990, 700 pessoas já foram beneficiadas. Em breve, o Rio de Janeiro também entrará na lista com o credenciamento do Hospital Gafrée e Guinle pelo Ministério da Saúde. A cirurgia é indicada para pessoas que não podem usar aparelhos auditivos convencionais.“É um procedimento de alta complexidade e o Sistema Único de Saúde arca com os todos os custos”, explica o Dr. Fernando Portinho, otorrinolaringologista, professor da Escola de Medicina da UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) e coordenador do projeto.O tratamento com

FAMILIA GUERARD, GHERARDI, GERARDI, GIRARDI

MINHA ÁRVORE GENEALÓGICA MEU NOME É MONIQUE, Meu tataravô ( LOURENÇO GHERARDI ) , minha tataravó ( ADELIA FERRAGATTI ) ele filho de ( LOURENÇO GHERARDI E DOROTEIA PERONO ), ela filha de ( GIACOMO FERRAGATTI E IRENE OZELIO) . meu bisavô materno ( LOURENçO FRANCISCO GHERARDI) e minha bisavó materna (VIRGINIA TAVARES ALBERGARIA GHERARDI ) , minha avó materna (ELZI GUERARDI NASCIMENTO) e meu avô materno (LUIZ GONZAGA DO NASCIMENTO), meus pais (MARIA DA GLORIA DO NASCIMENTO SOUZA e ADÃO HELIO DE SOUZA). Família Gerardi Em 06 de março de 1895 chegou ao porto de Santos, desembarcando do navio “ARNO” uma família vinda da região de Treviso, norte da Itália que se apresentou como  FAMÍLIA GIRARDI , mas por falha de grafia do oficial de registros da imigração o sobrenome passou a ser  GERARDI. Assim podemos considerar como origem da família o sobrenomeGIRARDI e a geração que que ficou no Estado de São Paulo, GERARDI. OLHA COMO É GRANDE A FAMILIA GUERARDI...  ESSES PARENTE