Pular para o conteúdo principal

COMIDAS TÍPICAS DO PARAENSES

A Culinária do Pará apresenta como sua maior influência a cultura indígena e, um pouco da portuguesa e africana. Os ingredientes básicos são oriundos da exuberante natureza da Amazônia, como camarão caranguejo,  marisco,  peixe, aves, caça, pato, todos temperados com folhas (maniva, chicóriacoentro),  pimentas de cheiro e ervas. São cozidos em panelas de barro ou assados em moquéns e embebidos de tucupi. Comem-se até às larvas de insetos e ovos de diferentes aves. Servidos em cuias, em casulos de folhas de banana, em recipientes de barro e até em toscas urupemas dando um sabor agradabilíssimo aos pratos do Pará.


TACACÁ 

Ingredientes:
2 litros de tucupí
4 dentes de alho
1 colher de chá de sal
4 pimentas de cheiro
2 maços de jambu
1/2 kg de camarão salgado (seco)
1/2 xícara de goma de mandioca
pimenta de cheiro


Modo de preparo: Coloque em uma panela o tucupí, tempere com alho, chicória, alfavaca e sal, leve ao fogo e deixe levantar a fervura. A seguir baixe o fogo, tampe a panela e deixe cozinhar por 30 minutos.
Cozinhe o jambu em água quente, deixe cozinhar até os talos ficarem macios, retire e escorra, deixe reservado. Retire a cabeça do camarão e deixe de molho em uma vasilha com água para retirar o sal. Ferva 4 xicaras de água com sal a gosto, dissolva a goma em uma vasilha com água fria, acressente ao poucos na água fervendo, até ficar um mingau grosso, ou, ao ponto de sua preferência. Sirva em uma cuia nesta sequência: duas colher de sopa de tucupí, uma concha de goma, uma concha de tucupí, algumas folhas de jambú e 5 camarões, sal e pimenta a gosto. Na falta da goma de mandioca pode ser usada o povilho azedo. 
Tempo de preparo: 1 h 30 min   - Rendimento: 10 porções

ARROZ DE JAMBU


Ingredientes:
1 colher (sopa) de manteiga
2 dentes de alho picados
1 cebola média picada
1 xícara de arroz
1 xícara de folhas de jambu
sal a gosto. 



Modo de Preparo: Numa panela com a manteiga, refogue o alho e a cebola até começarem a dourar. Junte o arroz e refogue por mais alguns minutos. Adicione 2 xícaras de água fervente, tempere e cozinhe em fogo médio, até o arroz ficar macio e cozido. Enquanto isso, lave as folhas de jambu e coloque para ferver rapidamente numa panela com água fervente. Escorra, corte as folhas e misture com o arroz.
Tempo de preparo: 15 min  - Rendimento: 03 porções

TUCUPI

Ingredientes
3 kg de mandioca brava (maniva)
4 dentes de alho amassados
2 maços de chicória
sal a gosto
pimenta de cheiro a gosto.

Modo de Preparo: Descasque a mandioca, lave-a e depois rale no ralador. Coloque numa panela e vá acrescentando água até a mandioca virar uma massa. Esprema esta massa com as mãos para extrair um líquido amarelo, que é o tucupi. Deixe este líquido descansar por 12 horas, que a goma vai se separar do tucupi (líquido). Reserve a goma que dever ser usada depois na preparação do tacacá. Numa panela grande, ferva o tucupi com o alho, a chicória e o sal por 1 hora e 30 minutos. 
Tempo de preparo: 15 h
Rendimento: 2 litros


  BOMBOM DE CUPUAÇU

Ingredientes
3 latas de leite condensado
1/2 kg de polpa de cupuaçu
1/2 kg de açúcar
Para a cobertura:
1/2 kg de chocolate ao leite.

 Modo de Preparo

 Numa panela, coloque o leite condensado e leve ao fogo médio até começar a soltar do fundo da panela e dar ponto de enrolar. Deixe esfriar um pouco e retire 1/2 colher (sopa) da massa de leite condensado, achate com os dedos e passe o açúcar. Recheie com 1 colher (chá) de doce de cupuaçu. Faça uma bolinha e feche, passe no açúcar novamente e deixe secar de um dia para o outro. Derreta o chocolate em banho- maria e mergulhe os bombons para que fiquem todos cobertos. Deixe secar e depois embrulhe
Rendimento: 50 bombons

FILHOTE DE TUCUPI

Ingredientes
1 quilo de filhote
05 cebolas médias
05 tomates
05 pimentões médios
04 batatas médias
04 ovos
08 dentes de alho
03 pimentas de cheiro
05 limões
A gosto: temperos verdes (cebolinha, cheiro verde, salsa, alfavaca e chicória), azeite, sal e farinha d’água.

Modo de Preparo: Corte o peixe em 4 partes, lave-os em água corrente e 1 limão. Faça um “vinha-d’alho” com o sumo de 4 limões, alho picado, sal a gosto, 1/2 copo de água; envolva as postas do peixe e deixe descançar por aproximadamente 3 horas. Em um caldeirão, colocar para ferver, por aproximadamente 10 a 15 minutos 5 litros de água com 1 cebola, tomate, 1 pimentão picados, a cebolinha, o cheiro verde, a salsa, a alfavaca, a chicória, as 3 pimentas de cheiro, 4 dentes de alho picados, um fio de azeite e sal à gosto. Quando tudo estiver fervido, separar em uma panela 2 litros da fervura e pôr para cozinhar o restante das cebolas, dos tomates, dos pimentões, dos alhos e as batatas. Conforme foram ficando cozidos, retire um a um e reserve. Deixe esfriar todo o caldo do cozimento. Em uma panela, à parte, cozinhar os ovos até ficarem duros, descascá-los e reservar. Volte para o caldeirão o caldo já frio, as postas de peixe e levante fervura deixe cozinhar as postas de peixe por 3 a 5 minutos. Após o peixe estar cozido, separar 1 litros do caldo para fazer o pirão. 
Pirão escaldado
Em uma panela, ferver o caldo e acrescentar aos poucos a farinha d’água mexendo sempre, para não embolar, até formar um pirão de consistência não muito mole.

Como servir:
Em um prato de sopa, colocar as postas do peixe cozido, as cebolas, os tomates, os pimentões, os alhos, as batatas e os ovos, recobrindo com a caldeirada bem quente. Em uma travessa, à parte, colocar o pirão escaldado enfeitando-o com raminhos de salsa. 
Tempo de preparo: 40 min
Rendimento: 04 porções

QUENGA

Ingredientes
1 frango inteiro ou coxa e sobrecoxa
1 cebola picadinha
4 dentes de alho picadinho  
Sal, e tempero a gosto
Cheiro verde picadinho a gosto
10 espigas de milho mais ou menos firme
Modo de Preparo: Picar o frango em pedaços pequenos. Deixar a cebola dourar e acrescentar o frango, fritando-o até dourar . Corte o milho e bata-o no liquidificador com um pouco de água e coe em peneira fina

Após isso, acrescentar o alho ao frango, o sal e tempero a gosto (pimenta etc), o líquido do milho e ir mexendo sempre até cozinhar. Acrescentar água aos poucos e deixar cozinhando, não pare de mexer para não grudar no fundo. Estará pronto quando o caldo estiver grosso e com sabor de cozido;  Coloque cheiro verde a vontade. Sirva com arroz branco, quiabo frito.


Fonte: Blog CEM - Centro Educacional Modelo  

Comentários

Anônimo disse…
Ola meu nome é gabriele eu adoro cozinhar e tenho apenas 12 anos eu fiz aquele BOMBOM DE CUPUAÇU e todos amaram obrigada por estas receitas ajudou muito ;)!

Mensagem

Mensagem

Postagens mais visitadas deste blog

MINERAÇÃO ONÇA PUMA -OBRA 273 - OURILANDIA DO NORTE - PARÁ

MARÇO/2010 TRANSPORTADORES DE CORREIA -                VENTILADORES EM BAIXO DA GALERIA DREYER PRECIPITADORES SILOS DE PÓ, SILOS DE MINERIO SECO                                                                                                   CHAMINÉ GALPAO ESTOCAGEM DE EMERGENCIA DE MINERIO KILN LAVADOR DE GASES MÁQUINAS DE PÁTIO EMPILHADEIRA E RECUPERADORA MONTAGEM DO 4. PRECIPITADOR EM MONTAGEM PRECIPITADORES PRECIPITADORES SILOS DE PÓ, SILOS DE MINERIO SECO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO DE AGUA - ASPIRAL

CIRURGIA PARA VOLTAR A OUVIR - IMPLANTE COCLEAR

O MILAGRE DA AUDIÇÃO IMPLANTE COCLEAR OU "OUVIDO BIONICO" Crianças e adultos vítimas de surdez profunda e sem poder aquisitivo para bancar uma cirurgia corretiva podem ter esperanças de voltar a escutar. Basta que o implante coclear seja indicado para o seu tipo de problema. Isso por que o SUS (Sistema Único de Saúde) já oferece esse tipo de operação em hospitais de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte. Desde 1990, 700 pessoas já foram beneficiadas. Em breve, o Rio de Janeiro também entrará na lista com o credenciamento do Hospital Gafrée e Guinle pelo Ministério da Saúde. A cirurgia é indicada para pessoas que não podem usar aparelhos auditivos convencionais.“É um procedimento de alta complexidade e o Sistema Único de Saúde arca com os todos os custos”, explica o Dr. Fernando Portinho, otorrinolaringologista, professor da Escola de Medicina da UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) e coordenador do projeto.O tratamento com

FAMILIA GUERARD, GHERARDI, GERARDI, GIRARDI

MINHA ÁRVORE GENEALÓGICA MEU NOME É MONIQUE, Meu tataravô ( LOURENÇO GHERARDI ) , minha tataravó ( ADELIA FERRAGATTI ) ele filho de ( LOURENÇO GHERARDI E DOROTEIA PERONO ), ela filha de ( GIACOMO FERRAGATTI E IRENE OZELIO) . meu bisavô materno ( LOURENçO FRANCISCO GHERARDI) e minha bisavó materna (VIRGINIA TAVARES ALBERGARIA GHERARDI ) , minha avó materna (ELZI GUERARDI NASCIMENTO) e meu avô materno (LUIZ GONZAGA DO NASCIMENTO), meus pais (MARIA DA GLORIA DO NASCIMENTO SOUZA e ADÃO HELIO DE SOUZA). Família Gerardi Em 06 de março de 1895 chegou ao porto de Santos, desembarcando do navio “ARNO” uma família vinda da região de Treviso, norte da Itália que se apresentou como  FAMÍLIA GIRARDI , mas por falha de grafia do oficial de registros da imigração o sobrenome passou a ser  GERARDI. Assim podemos considerar como origem da família o sobrenomeGIRARDI e a geração que que ficou no Estado de São Paulo, GERARDI. OLHA COMO É GRANDE A FAMILIA GUERARDI...  ESSES PARENTE