Pular para o conteúdo principal

CRIATIVIDADE

Criar para crer e crer para criar

Professor Luiz Machado, Ph.D. - 10/06/2010

 A criatividade, assim como a inteligência, é uma função de todos os seres para que possam atingir o objetivo maior da Natureza, que é a preservação das espécies, por intermédio da preservação dos indivíduos. Assim como a capacidade de criar existe em todas as pessoas, em certo grau apenas, o tanto necessário para garantir a sobrevivência, a potencialidade de criatividade está bem ali, pronta para ser ativada e desenvolvida.

A esta altura, precisamos lembrar que não se deve confundir criatividade com “criação”, pois esta depende do talento, do envolvimento global da pessoa. Criatividade se aprende; criação, não.

Nós somos, basicamente, organismos, isto é, conjuntos de órgãos e respectivas funções, feitos para exercer a criatividade.

A fim de ativar seu potencial de criatividade, a pessoa precisa, inicialmente, estar consciente de que exercer a criatividade não é um dom especial, somente concedido a algumas pessoas, e, sim, uma necessidade da Natureza.


 Todos têm a potencialidade de criatividade que, para ser ativada, é preciso que a pessoa se liberte de bloqueios, que podem ser culturais, sociais e psicológicos. Ensinar criatividade, o que é realmente possível, deve começar por aí: remover bloqueios, por meio de explicações teóricas, procedimentos, atividades, vivências e exercícios, tudo isso visando à capacidade de perceber relações analógicas, isto é, semelhanças nas relações.

A atitude consciente para a criatividade requer que a pessoa internalize, em seu Sistema de Autopreservação e Preservação da Espécie (SAPE), que ela é capaz de desenvolver as condições para que crie e, quando ela cria, passa a crer na sua capacidade de criar, por isso colocamos o título deste artigo como “criar para crer e crer para criar”.

Nós falamos antes, neste artigo, em procedimentos, atividades, vivências e exercícios para a criatividade, sendo que todos eles devem ter como farol a guiá-los a busca de relações analógicas, pontos comuns no espaço, abstratos, entre duas ou mais coisas. Por exemplo, o sapato está para o pé, assim como a luva está para a mão. Pássaro está para o ar, como peixe está para o mar. É interessante e divertido buscar essas relações e, ainda que o exercício seja simples, é o mais eficaz para treinar a criatividade. É claro que não são só eles, mas eles são a base.

Qualquer pessoa pode praticar, em qualquer momento, a sua criatividade, procurando pontos comuns, relações de semelhança e dessemelhança entre pessoas, coisas e objetos. Os pontos comuns que unem essas pessoas, coisas e objetos podem ser visíveis ou abstratos, e este será um dos assuntos dos próximos artigos!

 No ensino e aplicação da criatividade, o foco deve ser nas pessoas e não nas técnicas. E esse foco nas pessoas pode ser conseguido pelos procedimentos, atividades, vivências e exercícios da Emotologia, que é um conjunto de conhecimentos organizados para promover o desenvolvimento das potencialidades humanas como elemento de autorrealização.

Professor Luiz Machado, Ph.D.
Cientista Fundador da Cidade do Cérebro®
Mentor da Emotologia

Comentários

Mensagem

Mensagem

Postagens mais visitadas deste blog

MINERAÇÃO ONÇA PUMA -OBRA 273 - OURILANDIA DO NORTE - PARÁ

MARÇO/2010 TRANSPORTADORES DE CORREIA -                VENTILADORES EM BAIXO DA GALERIA DREYER PRECIPITADORES SILOS DE PÓ, SILOS DE MINERIO SECO                                                                                                   CHAMINÉ GALPAO ESTOCAGEM DE EMERGENCIA DE MINERIO KILN LAVADOR DE GASES MÁQUINAS DE PÁTIO EMPILHADEIRA E RECUPERADORA MONTAGEM DO 4. PRECIPITADOR EM MONTAGEM PRECIPITADORES PRECIPITADORES SILOS DE PÓ, SILOS DE MINERIO SECO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO DE AGUA - ASPIRAL

CIRURGIA PARA VOLTAR A OUVIR - IMPLANTE COCLEAR

O MILAGRE DA AUDIÇÃO IMPLANTE COCLEAR OU "OUVIDO BIONICO" Crianças e adultos vítimas de surdez profunda e sem poder aquisitivo para bancar uma cirurgia corretiva podem ter esperanças de voltar a escutar. Basta que o implante coclear seja indicado para o seu tipo de problema. Isso por que o SUS (Sistema Único de Saúde) já oferece esse tipo de operação em hospitais de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte. Desde 1990, 700 pessoas já foram beneficiadas. Em breve, o Rio de Janeiro também entrará na lista com o credenciamento do Hospital Gafrée e Guinle pelo Ministério da Saúde. A cirurgia é indicada para pessoas que não podem usar aparelhos auditivos convencionais.“É um procedimento de alta complexidade e o Sistema Único de Saúde arca com os todos os custos”, explica o Dr. Fernando Portinho, otorrinolaringologista, professor da Escola de Medicina da UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) e coordenador do projeto.O tratamento com

FAMILIA GUERARD, GHERARDI, GERARDI, GIRARDI

MINHA ÁRVORE GENEALÓGICA MEU NOME É MONIQUE, Meu tataravô ( LOURENÇO GHERARDI ) , minha tataravó ( ADELIA FERRAGATTI ) ele filho de ( LOURENÇO GHERARDI E DOROTEIA PERONO ), ela filha de ( GIACOMO FERRAGATTI E IRENE OZELIO) . meu bisavô materno ( LOURENçO FRANCISCO GHERARDI) e minha bisavó materna (VIRGINIA TAVARES ALBERGARIA GHERARDI ) , minha avó materna (ELZI GUERARDI NASCIMENTO) e meu avô materno (LUIZ GONZAGA DO NASCIMENTO), meus pais (MARIA DA GLORIA DO NASCIMENTO SOUZA e ADÃO HELIO DE SOUZA). Família Gerardi Em 06 de março de 1895 chegou ao porto de Santos, desembarcando do navio “ARNO” uma família vinda da região de Treviso, norte da Itália que se apresentou como  FAMÍLIA GIRARDI , mas por falha de grafia do oficial de registros da imigração o sobrenome passou a ser  GERARDI. Assim podemos considerar como origem da família o sobrenomeGIRARDI e a geração que que ficou no Estado de São Paulo, GERARDI. OLHA COMO É GRANDE A FAMILIA GUERARDI...  ESSES PARENTE