Pular para o conteúdo principal

CRIATIVIDADE

Criar para crer e crer para criar

Professor Luiz Machado, Ph.D. - 10/06/2010

 A criatividade, assim como a inteligência, é uma função de todos os seres para que possam atingir o objetivo maior da Natureza, que é a preservação das espécies, por intermédio da preservação dos indivíduos. Assim como a capacidade de criar existe em todas as pessoas, em certo grau apenas, o tanto necessário para garantir a sobrevivência, a potencialidade de criatividade está bem ali, pronta para ser ativada e desenvolvida.

A esta altura, precisamos lembrar que não se deve confundir criatividade com “criação”, pois esta depende do talento, do envolvimento global da pessoa. Criatividade se aprende; criação, não.

Nós somos, basicamente, organismos, isto é, conjuntos de órgãos e respectivas funções, feitos para exercer a criatividade.

A fim de ativar seu potencial de criatividade, a pessoa precisa, inicialmente, estar consciente de que exercer a criatividade não é um dom especial, somente concedido a algumas pessoas, e, sim, uma necessidade da Natureza.


 Todos têm a potencialidade de criatividade que, para ser ativada, é preciso que a pessoa se liberte de bloqueios, que podem ser culturais, sociais e psicológicos. Ensinar criatividade, o que é realmente possível, deve começar por aí: remover bloqueios, por meio de explicações teóricas, procedimentos, atividades, vivências e exercícios, tudo isso visando à capacidade de perceber relações analógicas, isto é, semelhanças nas relações.

A atitude consciente para a criatividade requer que a pessoa internalize, em seu Sistema de Autopreservação e Preservação da Espécie (SAPE), que ela é capaz de desenvolver as condições para que crie e, quando ela cria, passa a crer na sua capacidade de criar, por isso colocamos o título deste artigo como “criar para crer e crer para criar”.

Nós falamos antes, neste artigo, em procedimentos, atividades, vivências e exercícios para a criatividade, sendo que todos eles devem ter como farol a guiá-los a busca de relações analógicas, pontos comuns no espaço, abstratos, entre duas ou mais coisas. Por exemplo, o sapato está para o pé, assim como a luva está para a mão. Pássaro está para o ar, como peixe está para o mar. É interessante e divertido buscar essas relações e, ainda que o exercício seja simples, é o mais eficaz para treinar a criatividade. É claro que não são só eles, mas eles são a base.

Qualquer pessoa pode praticar, em qualquer momento, a sua criatividade, procurando pontos comuns, relações de semelhança e dessemelhança entre pessoas, coisas e objetos. Os pontos comuns que unem essas pessoas, coisas e objetos podem ser visíveis ou abstratos, e este será um dos assuntos dos próximos artigos!

 No ensino e aplicação da criatividade, o foco deve ser nas pessoas e não nas técnicas. E esse foco nas pessoas pode ser conseguido pelos procedimentos, atividades, vivências e exercícios da Emotologia, que é um conjunto de conhecimentos organizados para promover o desenvolvimento das potencialidades humanas como elemento de autorrealização.

Professor Luiz Machado, Ph.D.
Cientista Fundador da Cidade do Cérebro®
Mentor da Emotologia

Comentários

Mensagem

Mensagem

Postagens mais visitadas deste blog

Bodas de Rosas - 17 anos de Casamento

Meu amor, hoje estamos de parabéns e celebrando 17 anos de união. Foi diante de Deus que prometemos amor e fidelidade e é diante d'Ele que todos os dias honramos nossas promessas e esta linda união por Ele abençoada. Com você e nosso filho a vida é o mais apaixonante dos desafios, e não existem obstáculos difíceis demais ou impossíveis de ultrapassar. A Deus agradeço a incrível bênção que recebi no dia em que conheci você e em nossos corações nasceu a chama do amor mais puro e sincero. Que nosso caminho seja longo e maravilhoso e que em cada novo dia juntos renovemos os bons sentimentos em nossos corações. Que Deus nos conceda muitos anos de vida compartilhada e que entre nossa família, sempre reinem a harmonia, a amizade, o companheirismo e o amor, como até agora. Eu te amo, muito!

BIOGRAFIA RICARDO NUNES - O DONO DA RICARDO ELETRO

UMA HISTÓRIA EMOCIONANTE E VITORIOSA

Hoje eu quero comentar uma história de vida que assisti no Caldeirão do Huck nessa semana. Foi a história de mais um mineiro que acreditou no seu sonho, lutou muito e hoje é um vencedor, sem contudo perder a humildade.


O nome dessa pessoa que aprendi a admirar é Ricardo Nunes.

RICARDO nasceu em Divinópolis - Minas Gerais, em menos de duas décadas, Nunes partiu do ponto zero -- zero mesmo -- para tornar-se dono de uma das dez maiores redes de lojas de varejo do país. Sua trajetória empreendedora começou cedo e teve profunda influência de seu pai, um comerciante de bijuterias. "Meu pai morreu quando eu era criança", diz Nunes, o segundo de quatro filhos. Aos 12 anos após perder o pai Ricardo tinha que ajudar a mãe a cuidar dos irmãos, e por isso começou a vender as mexericas do sitio.
Ia vender perto das escolas e descobriu que gritando, vendia mais. Logo começaram a aparecer outras crianças vendendo perto dele, e então ele aprendeu que precis…

TATUAGEM NATURAL QUE DURA 5 ANOS

ADOREI ESSA NOVIDADE

Ontem aprendi com uma coordenadora da escola uma coisa super legal. Ela me contou que na sua adolescencia fez uma tatuagem natural que durou 5 anos!!!





Isso mesmo!!! Aqui nessa região eles usam um líquido da castanha do Caju para fazer tatuagem. Fica por 5 anos e depois desaparece.
Funciona dessa maneira . . .
A castanha contém um óleo-resina cáustica, conhecido como LCC (líquido da castanha de caju). A composição do LCC é principalmente de ácido anacárdico, cardol (11,31%) e seus derivados. Dentro da castanha é que se encontra a amêndoa oleaginosa, comestível, conhecida e comercializada como castanha de caju.

O LCC causa forte irritação na pele, deixando cicatrizes quase indeléveis que jovens usam para fazer um tipo primitivo de tatuagem. O LCC espesso é de cor escura, tem uso popular para verrugas, calos, edemas, manchas na pele e tecidos de neoformação.

O uso em estado fresco do fruto (castanha) pode provocar lesões na pele, pois é terrivelmente cáustico. Quando as …