Pular para o conteúdo principal

Maysa Barreto faleceu. Antes disso, Ana Carolina de Oliveira respondeu à sua carta

Amigos, estou publicando a continuação da história de Maysa Barreto, retirei da revista online Época, Mulher 7x7- Essa história me emocionou muito e é uma lição de vida que vou levar sempre comigo. Não conheci Maysa mas já admiro muito e tenho certeza que neste momento está cumprindo a promessa que fez a Ana Carolina de Oliveira, está cuidando da pequena Isabela Nardoni. Admiro também a reporter Katia Melo, que nos proporcionou essa história, pois nos faz repensar nossa vida, . Parabéns Katia Melo, seu trabalho foi brilhante e impecável.


"Maysa Barreto, 26 anos, pernambucana, faleceu nesta sexta-feira em um hospital em João Pessoa. Seu corpo foi cremado ontem, em Recife. Esperei a autorização da família para noticiar e  assim estou fazendo neste domingo de Páscoa. Quando recebi a carta que ela gostaria de enviar a Ana Carolina, acreditei na possibilidade de que com a sua publicação, Maysa pudesser receber um transplante de medula. Fiquei pensando: o que posso fazer por essa moça?  Por vezes, nós da mídia temos a chance de fazer uma ponte entre quem precisa e quem pode doar. Pedi permissão a Maysa para publicar a carta e ela me deu. Disse apenas para ter o cuidado de não falar em quanto tempo o médico lhe deu de vida. Os médicos lhe deram apenas três meses de vida. E assim eu fiz em respeito à sua dignidade, à sua vontade de viver.



A sua história me emocionou muito e emocionou centenas de brasileiros. Formou-se uma corrente em prol da sobrevivência de Maysa. Muita gente rezou por ela, outros ofereceram serem voluntários para o transplante de medula. Algumas pessoas ainda me ligaram indicando médicos e tratamentos. Mas tudo foi rápido demais. Depois da publicação da carta na quarta-feira 30, Maysa foi internada às pressas e seu estado só foi piorando e ela entrou em estado de coma. A sua irmã Maria Clara, com quem tive contato ainda disse: “que bênçãos que as pessoas estão mandando!”.

Confesso que ainda estou muito tocada. A história de pessoas como Maysa comovem, porque nos trazem a magnitude da vida. Diante delas, nos deparamos com nossa mesquinhez, nossa pequeneza, nossa finitude.  Essa matuta, como ela mesma dizia ser, lembrava a todos que para viver é preciso ter coragem. E fé. Talvez por isso eu tenha me identificado com ela. Na minha apresentação aqui neste blog digo que sou uma Maria ( a da canção de Miltom Nascimento)  que tem a “estranha mania de ter fé na vida”.

Talvez seja esse o sentido da mensagem de Maysa Barreto: coragem e fé.  

Quero dizer que o pedido dela foi feito. Ana Carolina de Oliveira, mãe de Isabella Nardoni,  recebeu a sua carta e a respondeu antes de Maysa partir de vez. Nela, Ana Carolina dizia que se Maysa fosse encontrar sua Isabella que enviasse a ela um grande abraço da mãe.

Precisamos de mais Maysas, mais Ana Carolinas e mais Marias. Nesse mundo tão umbilical, precisamos de seres que nos façam repensar e redimensionar a nossa existência.

Agradeço a todos que tentaram ajudar e em especial à família de Maysa que me confiou a sua história."


Comentários

Anônimo disse…
Não tenho o que dizer...
Triste muito triste, mais linda essa hstória.

Mensagem

Mensagem

Postagens mais visitadas deste blog

MINERAÇÃO ONÇA PUMA -OBRA 273 - OURILANDIA DO NORTE - PARÁ

MARÇO/2010 TRANSPORTADORES DE CORREIA -                VENTILADORES EM BAIXO DA GALERIA DREYER PRECIPITADORES SILOS DE PÓ, SILOS DE MINERIO SECO                                                                                                   CHAMINÉ GALPAO ESTOCAGEM DE EMERGENCIA DE MINERIO KILN LAVADOR DE GASES MÁQUINAS DE PÁTIO EMPILHADEIRA E RECUPERADORA MONTAGEM DO 4. PRECIPITADOR EM MONTAGEM PRECIPITADORES PRECIPITADORES SILOS DE PÓ, SILOS DE MINERIO SECO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO DE AGUA - ASPIRAL

CIRURGIA PARA VOLTAR A OUVIR - IMPLANTE COCLEAR

O MILAGRE DA AUDIÇÃO IMPLANTE COCLEAR OU "OUVIDO BIONICO" Crianças e adultos vítimas de surdez profunda e sem poder aquisitivo para bancar uma cirurgia corretiva podem ter esperanças de voltar a escutar. Basta que o implante coclear seja indicado para o seu tipo de problema. Isso por que o SUS (Sistema Único de Saúde) já oferece esse tipo de operação em hospitais de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte. Desde 1990, 700 pessoas já foram beneficiadas. Em breve, o Rio de Janeiro também entrará na lista com o credenciamento do Hospital Gafrée e Guinle pelo Ministério da Saúde. A cirurgia é indicada para pessoas que não podem usar aparelhos auditivos convencionais.“É um procedimento de alta complexidade e o Sistema Único de Saúde arca com os todos os custos”, explica o Dr. Fernando Portinho, otorrinolaringologista, professor da Escola de Medicina da UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) e coordenador do projeto.O tratamento com

FAMILIA GUERARD, GHERARDI, GERARDI, GIRARDI

MINHA ÁRVORE GENEALÓGICA MEU NOME É MONIQUE, Meu tataravô ( LOURENÇO GHERARDI ) , minha tataravó ( ADELIA FERRAGATTI ) ele filho de ( LOURENÇO GHERARDI E DOROTEIA PERONO ), ela filha de ( GIACOMO FERRAGATTI E IRENE OZELIO) . meu bisavô materno ( LOURENçO FRANCISCO GHERARDI) e minha bisavó materna (VIRGINIA TAVARES ALBERGARIA GHERARDI ) , minha avó materna (ELZI GUERARDI NASCIMENTO) e meu avô materno (LUIZ GONZAGA DO NASCIMENTO), meus pais (MARIA DA GLORIA DO NASCIMENTO SOUZA e ADÃO HELIO DE SOUZA). Família Gerardi Em 06 de março de 1895 chegou ao porto de Santos, desembarcando do navio “ARNO” uma família vinda da região de Treviso, norte da Itália que se apresentou como  FAMÍLIA GIRARDI , mas por falha de grafia do oficial de registros da imigração o sobrenome passou a ser  GERARDI. Assim podemos considerar como origem da família o sobrenomeGIRARDI e a geração que que ficou no Estado de São Paulo, GERARDI. OLHA COMO É GRANDE A FAMILIA GUERARDI...  ESSES PARENTE