Pular para o conteúdo principal

GESTÃO DA QUALIDADE - FATORES HISTÓRICOS

Amigos, este é o resumo da minha primeira aula de Gestão da Qualidade, com o Professor Aldo Santos. O assunto é como surgiu o conceito de Qualidade e a evolução da mesma.  Como a minha maneira de estudar é escrevendo ou digitando... resolvi fazer isso aqui para que também possa ajudar a outros alunos que precisem de esclarecimentos sobre o mesmo tema...





A partir do início do século XIX, houve um grande aumento na produção, passando essa de manual para produção em massa.
Houve um grande aumento da população e consequentemente da produção
Apesar da produção em grande escala muitos produtos eram rejeitados e isso trazia muitos prejuízos.
Muito desperdício de material e tempo
Ineficiência produtiva.

PRECURSORES DESTE MODELO

  • era da administração científica  - Fayol e Ford
CONCEITOS DE FAYOL
  • importante na abordagem dos sistemas de métodos de produção, mas a qualidade não era um dos aspectos mais trabalhados. 
  • Consequência: grande índice de rejeição e desperdício dentro do processo produtivo. 
Nesta época também atrapalharam a Evolução da Qualidade:
  • problemas políticos
  • problemas econômicos
  • problemas sociais
  • grandes guerras

4 ESTÁGIOS DA QUALIDADE

1°ESTÁGIO - INSPEÇÃO DA QUALIDADE
  • Dominante na Era pós Revolução
  • Conceito: separar os produtos bons dos ruins no final da produção.
  • Esse processo não trouxe ganho para a empresa , apenas evitava que um produto ruim fosse para o mercado.
  • Período: 1900 a 1930
De 1930 a 1950 as empresas ficaram paralisadas por causa da guerra e outros problemas

2°ESTÁGIO - ERA DO CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO.
  • Evolução dos conceitos orientais.
  • Japoneses tem um papel importante
  • Em vez de inspecionar o produto final, ele é controlado durante o processo.
  • Os japoneses desenvolveram técnicas e ferramentas 
  • Empresa + eficiente
  • Indices de rejeição e desperdício diminuíram
  • Metas
  • Sistema Toyota de Produção = erro zero, desperdício zero.
  • Este sistema estabelecia uma série de ferramentas com o objetivo de redução do desperdício e a utilização da produção ( produção enxuta, células de produção). Com isso houve uma redução do desperdício e de custos e a criação de diversas ferramentas como: TQC - Controle de Qualidade Total, TPM- Manutenção Produtiva Total, 5S - Sistema voltado para organização e limpeza. Controle de CEP - Controle Estatístico da Produção.
Com o crescimento do Japão no cenário industrial a competitividade aumentou e começou a incomodar as empresas do mundo ocidental e na Europa. Os EUA então resolveram copiar os grandes conceitos das empresas orientais - Processo BENCHMARKING

BENCHMARKING -  é a busca das melhores práticas na indústria que conduzem ao desempenho superior. É visto como um processo positivo e pró-ativo por meio do qual uma empresa examina como outra realiza uma função específica a fim de melhorar como realizar a mesma ou uma função semelhante. O processo de comparação do desempenho entre dois ou mais sistemas é chamado de benchmarking, e as cargas usadas são chamadas de benchmark.

3° ESTÁGIO - SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE
  • Década de 80 a 90
  • Além de inspecionar adotar padronização
  • O padrão começa a mudar
  • Evolução de materiais
  • Qualificação melhor
  • Visava a garantia da durabilidade
  • Maior cobrança dos fornecedores pelos compradores.
  • Consumidor final mais seletivo.
  • Consumidor começa a ganhar força.
  • Implementação de sistemas que garantem a qualidade dos produtos e dos serviços.
  • A empresa também se beneficiava desses processos embora houvesse muita dificuldade no começo.
ESTÁGIO - GESTÃO DA QUALIDADE
  • Influencia das normas. 
  • As pessoas envolvidas no processo passam a participar.
  • Industria envolve seu ambiente interno.
  • Responsabilidade da alta gestão da empresa - Alta Diretoria, fornecedores, clientes e funcionários.
  • Normas da qualidade - foco no sistema de gestão. Por isso a norma ISO 9000 é uma norma de gestão.
  • Incorporou de uma certa forma todos os 4 estágios.
NORMAS INTERNACIONAIS
  • Meados da década de 70 
  • normas específicas para determinados tipos de produtos.
  • Formas de estudar e criar sistemas para garantir qualidade dos produtos.
  • Normas da ABNT - exemplo CB 25 norma ISO 9000.
PADRONIZAÇÃO
  • Forma de melhorar e padronizar
  • Regulamentação unificada
  • Diversos conselhos e órgãos de caráter internacional.
  • Importante para que produtos utilizados em um país possa ser utilizado em outros.

SISTEMA ISO 9000
  • Conjunto de normas e diretrizes internacionais para o sistema da qualidade.
  • 1987
  • Foi no começo um ensaio
  • As revisões ocorrem de 7 em 7 anos.
  • Estudos  - modificações voltadas a atender o mercado atual e expectativa aceitável de mudanças.
  • A ISO busca orientação para a empresa
  • O grande desafio é fazer com que as empresas cumpram o preceito da ISO.
1ª VERSÃO - 1987
  • Experimental
  • Pouca aplicação na industria.
  • 4 sub-divisões: 
  1. 9000 -1 = desenvolvimento de projetos
  2. 9000 -2 = não incluía desenvolvimento de projetos
  3. 9000- 3= teste e inspeção
  4. 9000- 4= guia de orientação
2ª VERSÃO 1994
  • Totalmente reformulada
  • 20 requisitos envolvendo áreas diversas.
  • Ficou muito processual não enfatizando processos de gestão.
  • Norma muito técnica
  • Extremamente crítico com a empresa.
  • Levava de 1 a 1 ano e meio para implementar.
  • Foi uma das mais implementadas nas empresas.
3ª VERSÃO - 2000
  • Começou a ter enfoque no Sistema de Gestão
  • 5 requisitos
  • Sofreu muita crítica no mercado empresarial 
  • dificuldade das empresas em se adequar.
4ª VERSÃO -2008
  • Houve mais uma melhoria na interpretação.
  • Poucas mudança
PRINCIPAIS NORMAS 
  • ISO 14 000 - Gestão Ambiental
  • ISO 22 000- Gestão de Alimentos
  • ISO 16 949 - Gestão Automotiva
  • OHSAS 18001
IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA
  • Já foi mais critico
  • Hoje varia dentro da situação específica das empresas.






Comentários

Janaína Marques disse…
Olá, adorei sua ideia. Vai me ajudar muito. Beijo.
Janaína

Mensagem

Mensagem

Postagens mais visitadas deste blog

MINERAÇÃO ONÇA PUMA -OBRA 273 - OURILANDIA DO NORTE - PARÁ

MARÇO/2010 TRANSPORTADORES DE CORREIA -                VENTILADORES EM BAIXO DA GALERIA DREYER PRECIPITADORES SILOS DE PÓ, SILOS DE MINERIO SECO                                                                                                   CHAMINÉ GALPAO ESTOCAGEM DE EMERGENCIA DE MINERIO KILN LAVADOR DE GASES MÁQUINAS DE PÁTIO EMPILHADEIRA E RECUPERADORA MONTAGEM DO 4. PRECIPITADOR EM MONTAGEM PRECIPITADORES PRECIPITADORES SILOS DE PÓ, SILOS DE MINERIO SECO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO DE AGUA - ASPIRAL

CIRURGIA PARA VOLTAR A OUVIR - IMPLANTE COCLEAR

O MILAGRE DA AUDIÇÃO IMPLANTE COCLEAR OU "OUVIDO BIONICO" Crianças e adultos vítimas de surdez profunda e sem poder aquisitivo para bancar uma cirurgia corretiva podem ter esperanças de voltar a escutar. Basta que o implante coclear seja indicado para o seu tipo de problema. Isso por que o SUS (Sistema Único de Saúde) já oferece esse tipo de operação em hospitais de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte. Desde 1990, 700 pessoas já foram beneficiadas. Em breve, o Rio de Janeiro também entrará na lista com o credenciamento do Hospital Gafrée e Guinle pelo Ministério da Saúde. A cirurgia é indicada para pessoas que não podem usar aparelhos auditivos convencionais.“É um procedimento de alta complexidade e o Sistema Único de Saúde arca com os todos os custos”, explica o Dr. Fernando Portinho, otorrinolaringologista, professor da Escola de Medicina da UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) e coordenador do projeto.O tratamento com

FAMILIA GUERARD, GHERARDI, GERARDI, GIRARDI

MINHA ÁRVORE GENEALÓGICA MEU NOME É MONIQUE, Meu tataravô ( LOURENÇO GHERARDI ) , minha tataravó ( ADELIA FERRAGATTI ) ele filho de ( LOURENÇO GHERARDI E DOROTEIA PERONO ), ela filha de ( GIACOMO FERRAGATTI E IRENE OZELIO) . meu bisavô materno ( LOURENçO FRANCISCO GHERARDI) e minha bisavó materna (VIRGINIA TAVARES ALBERGARIA GHERARDI ) , minha avó materna (ELZI GUERARDI NASCIMENTO) e meu avô materno (LUIZ GONZAGA DO NASCIMENTO), meus pais (MARIA DA GLORIA DO NASCIMENTO SOUZA e ADÃO HELIO DE SOUZA). Família Gerardi Em 06 de março de 1895 chegou ao porto de Santos, desembarcando do navio “ARNO” uma família vinda da região de Treviso, norte da Itália que se apresentou como  FAMÍLIA GIRARDI , mas por falha de grafia do oficial de registros da imigração o sobrenome passou a ser  GERARDI. Assim podemos considerar como origem da família o sobrenomeGIRARDI e a geração que que ficou no Estado de São Paulo, GERARDI. OLHA COMO É GRANDE A FAMILIA GUERARDI...  ESSES PARENTE